1 de mar de 2017

Viagem Espanha - Granada

Como diz a música de João Bosco: "Nova Granada de Espanha, Por você, eu, teu corsário preso. Vou partir a geleira azul da solidão. E buscar a mão do mar." assim foi minha visita nessa cidade encantadora e que deixei um pouquinho de mim lá.

Viagem Espanha - Gibraltar

Aqui coloco minhas impressões de minha visita ultra-ligeira em Gibraltar, e que felizmente terei que voltar. Tudo muito inusitado, talvez por isso que tenha sido uma experiencia e tanto!

Viagem Holanda - Amsterdam

Falo um pouco dessa cidade minúscula porém encantadora: Amsterdam. Um cidade paracida com Veneza mas com seu encanto particular. Dona do seu nariz, como dizia minha avó, moderninha em varios sentidos. Ateva-se a conhecê-la.

Viagem Brasil - Inhotim (Brumadinho)

Podia ser qualquer lugar do mundo, mas é bem aqui no Brasil. Está ela, a cidade de Inhotim no municipio de Brumadinho a 60km de Belo Horizonte, um dos maiores acervos de arte contemporanea da America Latina ao ar livre.



E as horas...


"Li uma vez que você vive não sei quantas mil horas e pode resumir tudo de bom em apenas cinco minutos. O resto é apenas o dia-a-dia. Um olhar, uma lágrima que cai, um abraço… Isso é muito pouco na vida. Então, isso vale mais que tudo para mim." Cazuza

19 de dez de 2016

Ano vai, ano vem...e sempre uma experiência.

Hoje transcrevo aqui, um texto  emprestado do site EOH. Foi escrito com tanta alma por Frederico Elboni, que me fez arrepiar e queria transmitir esse sentimento traduzido em palavras:

AOS QUE SABEM CEDER NA HORA DE AMAR


Hoje dirigi por duzentos quilômetros, estava voltando da praia. E sim, por mais que eu reclame das intempéries da areia da praia, eu também gosto do barulho do mar e da autoestima que o amorenar me traz. Nesses quilômetros que fiquei sozinho, ouvindo músicas que vocês duvidariam que eu estivesse escutando, lembrei de tantas coisas… Lembrei de como este ano foi o primeiro ano em que levei minha mãe para viajar para o exterior; lembrei de como realizei encontros fantásticos com as minhas meninas, minhas amigas, que, no caso, são vocês; lembrei de como consegui me entregar a paixões que anos atrás, sem dúvidas, morreria de medo; lembrei de como fui feliz, mesmo que naquele exato momento eu nem tenha percebido o quão feliz fui. Em resumo, eu amei sem me preocupar com a maldade do tempo.

Todo ano, por mais ameno ou louco que seja, nos faz colecionar alguns aprendizados. Eu aprendi, mesmo pedindo aos céus que não, que a gente perde pessoas, mas ganha tantas lembranças lindas de serem lembradas. E todo grande aprendizado dói tanto… mas a gente sempre suporta. O ano passa, mas as minhas saudades continuam aqui comigo, mais maduras, mais seguras de que fiz o que deveria ser feito, mas ainda enormes dentro de mim. Todo fim de ano é uma interiorização diferente e especial, é como se a gente abrisse as caixinhas das lembranças que colecionamos durante o ano e relembrássemos das coisas gostosas, tristes e revolucionarias que aconteceram conosco. E são tantas… a gente muda tanto, ri com tamanha intensidade das maiores bobeiras do mundo.

Quando o ponteiro diz adeus às horas que passaram, todos nós, instantaneamente, ganhamos aprendizados. E com esses aprendizados, que tinham tudo para ser conselhos dos nossos melhores amigos, fazemos escolhas: alguns fazem deles asas outros armaduras. Ter amaduras é ótimo, nos protege de quem nos atira pedras sem nem nos avisar, nos faz não deixar a nossa sensibilidade vulnerável à mercê de quem não saberá valorizar. Mas, por outro lado, nos faz perder momentos tão bonitos, tão genuínos; nos faz generalizar traumas que já são passados. Aprender que nem toda história triste se repete é deixar a armadura de lado e aprender a usar mais as asas. As asas dão a liberdade que o amor precisa, têm agilidade, são belas e chamam atenção das coisas mais bonitas da vida! Usar as asas é deixar o peito aberto em tempo integral, e mesmo que te atirem pedras, você saberá se esquivar do que não te pertence.

Viver intensamente o que a vida nos joga por aí, como se fosse uma batata quente em nossas mãos, é uma missão que só pessoas com asas conseguem realizar. E mesmo que nesses amores sempre hajam um pouquinho de mágoa, a gente aprende que a dor também colore o quadro que estamos pintando enquanto vida. Nos olhar de cima, do topo do fim do ano, e perceber que a gente conseguiu se entregar é uma sensação gostosa demais para não ser dividida com o mundo! Você viveu, sorria!

Que nos próximos anos a gente aprenda que amar é um verbo que abre o coração, a cabeça, mas, principalmente, transforma as opiniões, por mais severas que sejam, em concessões. E ceder na hora de amar, seja com quem for, é tão especial… Deixemos os que carregam armaduras e verdades absolutas sobre o mundo por aí, acreditando nas suas verdades tristes de tão absolutas, e que a gente encontre pessoas que amem como nós, não da melhor maneira, mas da maneira mais sincera e intensa possível; com asas.
(texto de: http://eoh.com.br/aos-que-sabem-ceder-na-hora-de-amar/)

Um Feliz ano novo com muitas novas experiências e multicores!

12 de out de 2016

Distância: espaço que separa corações?


Viver um amor a distância é como uma espécie de loucura consentida, ou seja, mesmo parecendo algo surreal, é um sentimento compartilhado e que ambas as partes estão de acordo. Diria que esse amor não é para qualquer um@, somente para os corajos@s! :)  Então sigam-me os bons...

31 de dez de 2015

Feliz 2016!!!


O que dizer de um ano velho, este 2015 que já está terminando?  Particularmente, foi um ano de muito aprendizado, experiências (muitas boas e bem poucas ruins), novos amigos, varias conquistas, viagens inesquecíveis, comemorações das bodas de ouro dos meus pais,...enfim, confesso que sentirei saudades deste ano.

Mas, já vem o Ano Novo, em folha, com novos projetos, novos sonhos, novas conquistas, novas viagens e destinos, novos/velhos amigos e mais aprendizados e experiências. Gosto desse sentimento nostálgico e ao mesmo tempo cheio de esperança, surpresas e expectativa para 2016. Vamos receber este novo ano com fé e confiança!

E sabe aquela listinha de desejos para 2016?

Comece pelo mais simples: Um sorriso e sê feliz!

3 de nov de 2015

Crônicas do dia anterior


Dentro do ônibus lotado, com a roupa molhada, voltando do trabalho numa sexta-feira de caos em SP, parada no trânsito que demoraria 2 horas até chegar em casa, ao meu lado senta uma senhora que aparenta uns 80 e poucos anos. Simpática e cheirando a lavanda, olha a chuva na janela e começa a puxar assunto, eu retiro meu fone de ouvido discretamente, e ela comenta do tempo que está la fora, e passa a contar da sua juventude, que quando menina, não gostava de tomar chuva para não atolar o pé na lama, que seu lanchinho da tarde é sagrado , mas que hoje estaria atrasada e outras mais, e nesse ínterim, pude divagar em flash nos vários momentos da sua vida, mesmo não a conhecendo. O papo estava bom e o tempo passou rápido, em seguida ela se levanta para descer do ônibus, pela porta da frente. Antes de ir embora, diz sorrindo: 

"- Moça, bom encontrar pessoas assim que sorriem também com os olhos, e que tem paciência de ouvir a gente que somos (sic) velho." 

Ahhhhhh, que coisa mais doce de se ouvir de uma desconhecida com tanta experiência de vida e num final de dia complicado! Coisa simples do cotidiano que faz a diferença. Uma boa noite senhora!


21 de mar de 2015

Viagem França - Paris

Oui, Paris!

Neste post, além de falar um pouco da minha experiência na Cidade Luz durante uma semana e meia, quero contar também sobre algumas particularidades  além daquelas que já se supõe de Paris.